sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A Borboleta Azul



Na última postagem minhas palavras foram um tanto desanimadas...Deixei um desabafo sobre como estava me sentindo tendo que retornar ao trabalho após meu período de férias.Não que eu tenha escolhido a profissão errada, pois amo ser educadora mas como escrevi antes,estava envolvida com outras coisas que não queria deixar de lado.Após meu retorno, percebi que estava enganada pois é mais uma questão de readaptação e organização, mas às vezes deixamos este desânimo nos "fechar" para o que tem pela frente.
Aprendi algumas coisas neste meu momento de hesitação e uma delas é que nossa atitude diante de uma situação de desânimo vai dar o rumo a tudo o que vem adiante.Se me abater diante dele, meus dias vão passar "arrastando", vou ficar mal humorada e não terei prazer em nada que tiver de fazer...Mas se eu buscar forças dentro de mim, decidir vencer o desânimo e enfrentá-lo, com certeza o quadro que pintei na minha mente vai ter outras cores.Em resumo, é uma questão de escolha e  está em minhas mãos.Pra terminar este post, vou deixar uma ilustração que tem tudo haver com o que estou escrevendo.Beijos e bom findi!

A borboleta Azul

Havia um viúvo que morava com suas duas filhas curiosas e inteligentes. 
As meninas sempre faziam muitas perguntas. 
Algumas ele sabia responder, outras não. 
Como pretendia oferecer a elas a melhor educação, mandou as meninas passarem férias com um sábio que morava no alto de uma colina. 
O sábio sempre respondia todas as perguntas sem hesitar. 
Impacientes com o sábio, as meninas resolveram inventar uma pergunta que ele não saberia responder. 
Então, uma delas apareceu com uma borboleta azul que usaria pra pegar uma peça no sábio. 
- O que você vai fazer? - perguntou a irmã 
- Vou esconder a borboleta em minhas mãos e perguntar se ela está viva ou morta. 
Se ele disser que está morta, vou abrir minhas mãos e deixá-la voar. 
Se ele disser que ela está viva, vou apertá-la e esmagá-la. 
E assim qualquer resposta que o sábio nos der está errada! 
As duas meninas foram, então, ao encontro do sábio, que estava meditando. 
- Tenho aqui uma borboleta azul. Diga-me sábio, ela está viva ou morta? 
Calmamente o sábio sorriu e respondeu: 
- Depende de você. Ela está em suas mãos. 

Assim é a nossa vida, o nosso presente e o nosso futuro. Não devemos culpar ninguém quando algo dá errado.
Somos nós os responsáveis por aquilo que conquistamos (ou não). 
Nossa vida está em nossas mãos, assim como a borboleta azul. 
Cabe a nós escolher o que fazer com ela. 

3 comentários:

  1. Oi amiga geralmente quando isso acontece é porque estamos numa zona de "conforto" e Deus é profissional em nos remover desses lugares, as vezes doi, mas não é para morte,rsrssr e ai quando somos desafiados a sair daquele lugar acontece alguns desconfortos. Mas com a graça de Deus logo vamos ver que podemos sobreviver. Uma bela noite e fica na paz deixou para vc ler e meditar Rm 8:28

    ResponderExcluir
  2. A vida sempre esteve nas nossas mãos e fazemos dela o que desejarmos, o problema é quem sempre desejamos certo e matamos a borboleta, como no seu texto, só para provarmos aos outros que estão errados.
    Bela reflexão!
    Bj
    Adri

    ResponderExcluir
  3. Olá fofa...
    Muito boa essa ilustração!
    Depende exclusivamente de nós!!!

    Bjs bom findi

    ResponderExcluir